14 August 2017

Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG e | and A MONTRA / THE WINDOW - Best of June

A humanidade da canção - "To Live and Die in New England" - de Terence Ryan caiu bem no meu campo de jogo. O videoclip (cinematografia de Ryan Sheetz com Ben Pacocha) complementa-a na perfeição. Não sabia como fazer justiça ao trabalho desta equipa. Aqui fica o desenho que fiz para o Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG - Best of June, em jeito de homenagem. O gozo de construir carimbos cravados em rolhas.          |        This song's humanity appealed to my sensibility, while its videoclip (cinematography by Ryan Sheetz and Ben Pacocha) perfectly complemented it. "To Live and Die in New England" by Terence Ryan was my choice of music for Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG - Best of June.  But how to be respectful of this team's work and still add an illustration to it? I made stamps out of corks, tried different papers and colours, listened to the song on repeat while working, and this is my tribute to it.








Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG e | and A MONTRA / THE WINDOW - Best of May

Não seria uma escolha óbvia para mim. Ainda assim, "Had some drinks" dos Two Feet cativou-me.  Os Where the Music Meets não podiam ter dito melhor, no PICKS FROM THE FROG - Best of May, quando disseram que o fez pelo seu som labiríntico. A elaboração desta ilustração seguiu um rasto instintivo.       |       Not my usual cup of tea. Still, this song managed to find its way into my world. Where the Music Meets say it best in PICKS FROM THE FROG - Best of May: it's labyrinthine feel crawls in. It's "Had some drinks" by Two Feet. The way I've assembled it couldn't have been more instinctive.









13 August 2017

Pint of Science Nottingham - Creative Reactions



Um amigo identificou-me num post no facebook. Devias fazer isto. "Sim, parece giro. Talvez."  Outro  veio ter comigo - não gostavas de fazer isto? "Ok. Vou ver disso um dia destes." Candidatei-me sem pensar muito nisso. Afinal, essa é a essência de por que fiz este blog. O que eu não sabia era que isto envolvia uma exposição. Uma ex-po-si-ção. (Medo) Num museu a sério. (Medo) A sério. (Medo) Já lá chegaremos.            |        Someone tagged me in a facebook post. You should try this. "Alright, I might." A friend approached me - wouldn't you like to do this? "Ok. I'll look into it." I applied, without thinking much of it. That is, after all, the spirit of why this blog exists. What I didn't know was that it would involve an exhibition. An ex-hi-bi-tion. (Scared) In a proper museum. (Scared) Mu-se-um. (Scared) We'll get to it soon enough.


Pint of Science - Creative Reactions

"Isto" era a secção artística do Pint of Science, chamada Creative Reactions.        |        "This" was Pint of Science's artistic section - Creative Reactions. 

Já tinha ouvido do festival Pint of Science. Um querido amigo, Matthew Young (um tipo maravilhoso, contratem-no para qualquer trabalho de participação pública - ele é o homem para o trabalho), organiza-o em Nottingham. Mas não fazia ideia no que me estava a meter - a parte da Creative Reactions. Já tinham ouvido falar deste festival?        |        I had heard about the Pint of Science part of it. A dear friend of mine, Matthew Young (wonderful guy, hire him for any public engagement gigs - he is the best), organizes it in Nottingham. But I had no idea what I was getting myself into - the Creative Reactions part of it.  Have you heard about any of it?

O Pint of Science (tradução livre: "Jola" de ciência) é um festival internacional de comunicação da comunidade científica com o público geral, no qual cientistas vão a um ambiente tão informal como um bar e falam da sua investigação com quem estiver interessado. Estás? Não vejo como não - o festival abrange temas tão variados como astronomia e neurociência, dinossauros e robótica. Ninguém tem desculpa para não participar. Se ciências não são a tua onda vem pela cerveja e vais render-te. Procura o local mais próximo de ti aqui. O festival começou em 2012 em Londres e Nottingham seguiu-lhe o rasto (já falei do meu amigo Matt, não já?).              |        Pint of Science is in fact an international science-meets-public festival, where scientists come to the pub to talk about their research with anyone interested in it. Are you? It covers such a broad range of subjects that nobody has an excuse not to engage. I'm confident everyone finds something interesting between astronomy and neuroscience, dinosaurs and robotics. If science isn't your thing - come for the beer and in the end you'll be asking questions. Check your closest location here. It started in 2012 in London and Nottingham quickly followed (again - Matt). 

Em 2017 o festival aconteceu em simultâneo em pelo menos 5 bares em Nottingham, durante quase uma semana - de 15 a 18 de Maio. Muitas sessões esgotadas. Adesão do público a múltiplos temas. Mas a secção "Creative Reactions" era inédita nesta cidade. O desafio do Creative Reactions é expandir a maneira como o público vê a ciência, emparelhando um cientista e um artista local.             |        In 2017 it run in at least 5 different locations (I'm pretty sure there were more) over almost a week , May 15th-18th, in Nottingham. Creative Reactions was a new addition to previous editions. The challenge behind Creative Reactions is to pair scientist and artists to get a fresh perspective on the research.



A minha experiência        |        My experience

Se estás curios@ sobre como funciona heis a explicação. Depois de me candidatar, fui contactado por alguém da equipa de organização do Creative Reactions (Shalaka Kurup), que me fez chegar alguns detalhes, nomeadamente a calendarização geral. Este contacto inicial aconteceu em Fevereiro. Em Março, os artistas receberam uma lista de cientistas que se tinham voluntariado para fazer parte desta iniciativa, bem como uma descrição sumária da sua investigação. Nós (os artistas) respondemos com uma lista dos nossos 3 cientistas favoritos e a equipa de organização fez tudo o que pode para emparelhar artistas e cientistas de acordo com a sua preferência.        |        If you are curious about how it works, here it is. After applying, I was contacted by someone from the Creative reactions organisation team (Shalaka Kurup - I'm sorry for all the trouble I've given) and given some details. This happened in February. In March, we (the artists) were given a list of scientists willing to participate in this initiative, along with a brief summary of their research. We then had to choose our top three and the Creative Reactions team did their best to pair us. 

Eu fui emparelhado com o Martino Franchi, um cientista que trabalha em Notts (diminutivo de Nottingham). Combinamos encontrar-nos num pub para travarmos conhecimento e conversar. Mas o Martino atrasou-se  - ligou-me: "Sou italiano. Costumo chegar atrasado. Mas não tão atrasado quanto hoje!". Percebi com esse caricato primeiro contacto que o Martino pertence a uma espécie rara, contudo bastante comum na comunidade científica, que é um sonhador com os pés na terra. De facto ele chegou tão tão atrasado que eu fiz todo um desenho do pub onde estava. Talvez o ponha aqui um dia destes. Tive sorte, porque estava uma tarde bonita, com sol, coisa rara em Nottingham.           |        I was paired with Martino Franchi. He is a scientist working in Notts. We met at a pub (where else?) to get to know each other. Martino was late - "I'm Italian. I'm usually late, but not this late." he said over the phone. I immediately felt he would be a down-to-earth yet dreamy guy. Contradiction in terms? No. Those are a rare species, often found doing science. He was so so late that I managed to make an entire piece on the pub itself, maybe I'll publish it here someday. 

No beer garden (esplanada) conversamos sobre a investigação que o Martino faz. Ele estuda como o exercício fisico afeta o envelhecimento. Quando lhe perguntei acerca da sua vida para lá da ciência, o Martino mostrou-se um espirito aberto e não hesitou em responder. Fiquei contente por saber que ele tinha uma familia de quem se entusiasmava a falar, em Saronno, uma ligação duradoura ao basketball e uma miriade de actividades sociais que mal consegui acompanhar. A conversa resvalou sobre a dificuldade de equilibrar a vida académica com a "vida real", antes do Martino fugir para o seu compromisso seguinte. Mas por essa altura eu tinha bastante com que avançar.          |        It was a nice afternoon - rare in Nottingham - and the beer garden was sunny. We had a pint and talked about his research, on how exercise affects aging. I was also  interested in his life beside research and he was very open-minded to talk about that. I was glad to hear that he had a very nice family in Saronno, a deep connection with basketball and had a handful of social activities. We then proceeded to discuss the troubles of juggling science and "real life"! Plenty to go on with!..

O cientista:        |        The scientist:
  • A palavra favorita do Martino é energia!        |        Martino's favourite word - Energia!
  • Ele treina um equipa de basketball de jovens atletas.         |        He trains kids how to play basketball. 
  • Escritores favoritos -  Wilde e Henry David Thoreau.       |        Favourite writers - Wilde and Henry David Thoreau.
  • Ele toca guitarra, usando a técnica de slide guitar (sem tradução que eu conheça).         |        He plays slide guitar. 
  • É criativo ao cozinhar - vai um risotto de morango?        |        He likes being creative while cooking - would you go for a strawberry risotto?
  • O Martino não pode com o som de motas a acelerar na estrada!         |        He severely dislikes the sound of motorbikes sprinting over the road!
  • Planta preferida - carvalho.        |        Favourite plant: oaks. 
  • Nota-se que vem de uma familia latina - os seus laços familiares mantém-se fortes, especialmente com o seu pai.        |        You can tell he comes from a latin country - his family bonds are tight, specially with his dad (congrats sir, you've raised a nice guy).
  • Descreve a sua investigação como estimulante e intricada.         |        He describes his research as stimulating and puzzling.



The octopus        |        O polvo

A partir destas informações comecei a trabalhar na peça. E mudei de ideias. E trabalhei um pouco mais. E voltei a mudar de ideias. E trabalhei. E pedi conselhos (obrigada aos suspeitos do costume!). E trabalhei. Um método pouco usual para mim. Um desafio bom, que me fez crescer. Este é resultado final.        |        From there I worked on the piece. And changed my mind. And worked. And changed my mind again. And worked. And asked for advice. And worked. It was an unusual process for me. It was certainly challenging, but I felt that I grew while doing it. This was the end result. 




E alguns passos intermédios.         |        And some in-betweens.











The exhibition        |        A exposição

No fim a peça foi apresentada na exposição do Creative Reactions, no Nottingham Contemporary, onde também decorreu a festa final do festival. A equipa de organização do festival está de parabéns.        |        In the end it was presented in the Creative Reactions exhibition in the Nottingham Contemporary, where the final party took place. Congratulations to the organisation team. 


 

Title: We all come from somewhere.

Medium: Collage - Printed papers, pen and ink, pastels and graphite on paper

DIMENSIONS: Support 50x50cm



[This piece is for sale. If you are interested contact me.]


06 May 2017

Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG e | and A MONTRA / THE WINDOW - Best of April

Quem conta um conto acrescenta um ponto. 





A colaboração que estabeleci o mês passado com o Where the Music Meets e A MONTRA / THE WINDOW expandiu-se! E tem um post novo: Best of April.       |         Last month I introduced an ongoing collaboration with two other blogs, Where the Music Meets and A MONTRA / THE WINDOW, from which we have a new post: Best of April. Be sure to check the full April selection! I'm glad that that story has turned another corner and expanded!

A nova rubrica no blog Where the Music Meets - PICKS FROM THE FROG - dá-me asas para ilustrar uma música à minha escolha... Não sem os editores do blog tratarem da moldura, tão importante como o seu conteúdo, traduzindo em palavras a magia da música. Noves fora (as tecnicidades), é uma grande alegria!         |        In the music blog Where the Music Meets you can find a new monthly post PICKS FROM THE FROG - illustrated by me! Oh the joys! They find the perfect words to frame my picture and, voilá, a post about a music that I relate to. 

"Bruises", de Lewis Capaldi, foi a música responsável por tanto entusiasmo. Não o poria melhor que os editores do WtMM, que apelam (aqui) a ouvir a versão acústica melodia, onde a voz dá profundidade à melodia.          |        "Bruises", by Lewis Capaldi, was the one for me this month. WtMM editors express it best, here, where they urge you to hear the acoustic version, in which Lewis' voice "is the leader and the dreamer of the whole melody".




E como interações positivas são o melhor motivador, deram-me ânimo para por as mãos à obra e terminar este pequeno video, da construção do desenho eleito (abaixo).          |        And because positive feedback is the best instigator, I was eager to complete this little video on the making of (below).





E, para mim, o conto vai ficando melhor e melhor.




14 April 2017

A MONTRA / THE WINDOW - Where the Music Meets - Best of March

Conceitos atractivos dão o triplo do prazer a desenvolver se o fazemos com aqueles de quem gostamos. Esta colaboração veio desse lugar bom.        |         Compelling concepts become much more enjoyable if we build them up with those we love. This collaboration came to fruition from that happy place.

A proposta é ilustrar a playlist mensal que o Where the Music Meets (lembram-se deles? ilustrei para eles nestes posts) faz para A MONTRA / THE WINDOW.         |         The project is to illustrate a monthly playlist  Where the Music Meets (remember them? I illustrated for them in these posts) puts together for A MONTRA / THE WINDOW

O primeiro blog, WtMM, já conhecemos, mas relembro - é um blog sobre música, indie maioritariamente, que procura dar a conhecer novos artistas e novos projectos de artistas desse universo musical. É pujante em ideias frescas e sonoridades contemporâneas. Uma sugestão para quando não sabem o que ouvir - criem o hábito de ir lá ver o que se passa, vale a pena!          |         You may be familiar with the former blog, aka WtMM, but I'll remind those of you who aren't what is it all about. It's a music blog, mainly focused on indie music, that values new artists in the genre and discloses new work from established performers. It is prosper in fresh ideas and contemporary sonorities. I'll give you a suggestion for when you don't know what to hear - make it a habit to go there and see what's going on, it's worth it!

A MONTRA / THE WINDOW é uma colaboração nova por estas bandas. Mas fiquei muito contente quando o caminho veio aqui dar, pois é uma abordagem que aprecio - é uma rede de curadoria sustentável! Traduzindo, um blog que expõe produtos e pontos de vista de pessoas cujo foco é sustentabilidade ambiental e social. Condiz comigo. Se quiserem saber mais, vejam aqui a mais eloquente explicação ou divaguem pelo blog.            |           The second one, A MONTRA / THE WINDOW, is a new collaboration for me. But I was very happy when our paths crossed, as it features content I relish - it is a sustainable curation network. This means they feature products and voice people whose focus is environmental and social sustainability. If you want to know more, see here a more eloquent definition or go through the blog.

Damos o mote com Best of March (Melhor de Março), uma selecção de 10 músicas em destaque das que foram publicadas nesse mês no WtMM.             |           Best of March is the first of these posts, and it comprises 10 songs selected from all of those published that month in the WtMM blog.

Eu ouvi-as todas e, se início tinha uma pequena (grande) lista de posts que estavam mesmo a pedir uma ilustração, no fim não consegui desligar do Bullets on parade do Noiserv. Criei uma ligação com esta música como com mais nenhuma. Não conseguia tirar o som da máquina fotográfica da cabeça - tem tudo a ver comigo, o som artesanal e a emoção da música. É simultaneamente nostálgica da minha infância e adulta. Ouvir este som infinitamente em repeat transportou-me para um estado de espírito sublime.              |            I heard all of them and I made a shortlist (a biglist really) of all the songs that were just screaming for an illustration. I couldn't get past Bullets on parade by Noiserv though. The sound of the camera stuck with me - I relate to it on a deeper level - it is both reminiscent of my childhood and evokes adult emotions. Also, I love the crafty element.  I heard this song on repeat ad infinitum and it transported me to a sublime state of mind.




Aqui fica a ilustração final e mais abaixo um dos estudos.            |           Here is the illustration and below on of the studies I did for it. 




O Noiserv tem um album mais recente - 00:00:00 - que se baseia no som do piano e que é frutuoso ouvir. A ideia é ser a banda sonora de um filme que ainda não existe. Saibam mais na entrevista que o WtMM lhe fez.             |          A more recent album by Noiserv is available, called 00:00:00. It is based on the piano and the concept behind it is a soundtrack of a film that doesn't exist yet. Be sure to know more about it in the interview WtMM has put together. 

É certo, as estrelas alinharam-se - foi, e é, uma alegria desfrutar desta ideia, de desenhar música, deles, dos blogs, da frequência mensal - tudo bate certo. O que mais posso querer? Para o mês há mais.            |          One thing is for sure, the stairs have aligned for this one. It was, and I hope it continues to be, a joyful idea - for me to draw music, for and with these people, in a monthly basis. What else can I wish for? April is next.





30 March 2017

Saudades do meu café! | Missing my morning coffee.

É também uma das minhas chávenas preferidas, antiga e lascada. E Ferrero Rocher, resto do Natal, que só torna o desenho mais nostálgico.    |      Also, one of my my favourite cups of coffee, very old and chipped. And Ferrero Rocher, leftover from Christmas (it is only sold around this time of the year in Portugal).




12 February 2017

Fausto Bordalo Dias em Viseu | Fausto Bordalo Dias in Viseu

Foi um previlégio assistir ao concerto do Fausto Bordalo Dias e banda no Teatro Viriato em Viseu. A Trilogia não é menos que literatura cantada e musicada!        |        It was a privilege to attend Fausto Bordalo Dias' and his band's concert at Teatro Viriato, in Viseu. The trilogy doesn't fall short of literature, in song and music form. 

Se não o conhecem, não deixem de ouvir o POR ESTE RIO ACIMA, CRÓNICAS DA TERRA ARDENTE e EM BUSCA DAS MONTANHAS AZUIS (e atentem às letras).         |        If you don't know his work, do not miss the albums POR ESTE RIO ACIMA, CRÓNICAS DA TERRA ARDENTE e EM BUSCA DAS MONTANHAS AZUIS (I'm positive they are tremendous in any language, but the lyrics are written in a luscious Portuguese).





































O concerto deu aso a um guloso fim-de-semana.  A Tasquinha da Sé e o Dux Palace (imagem abaixo) foram boas surpresas. Acho que não é sacrilégio dizer que Viseu está a cultivar um bom viver, que petisca dos costumes antigos em abundância refinada!        |        Of course a touristic view of the city center was in order - so we made the weekend into a little treat. We went to Tasquinha da Sé and to the Dux Palace  (image below). Both are restaurants with traditional-based yet refined dishes to share . Those words could describe a younger Viseu I only got to know now.  It's a great surprise! This Viseu's people really enjoy life well.